Ir para Newsletter Informativa bimensal da CNE
Ir para Resultados Eleitorais - área com quadros e mapas geográficos
Ir para Perguntas Frequentes organizadas por Tema / Eleição
Consulte a CNE, apresente queixa, peça esclarecimentos ou documentação

Concursos de Ideias

Do plano traçado pela Comissão Nacional de Eleições no tocante ao esclarecimento cívico e eleitoral e de apelo ao voto, consta a realização de ações sectoriais dirigidas a determinados públicos-alvo, com especial destaque para a camada jovem.

De entre tais ações há que dar relevo aos Concursos destinados a jovens, cujos temas se subordinavam à eleição que no momento ia realizar-se e que compreendiam trabalhos nas áreas de Desenho, Texto e Slogan.

Assim aconteceu por ocasião das eleições autárquicas de 1993. Nessa altura e com o objetivo de sensibilizar os jovens para a vida cívica e política do País, a Comissão Nacional de Eleições e o Conselho Nacional da Juventude congregaram esforços e levaram a efeito um "concurso de ideias", para o qual se pretendeu motivar os jovens com idade não superior a 25 anos, estudantes dos ensinos secundário e superior ou equiparados, que tinha como finalidade a sua colaboração na campanha de esclarecimento institucional das eleições autárquicas, através da livre criação de um "slogan", um texto escrito, ou um cartaz.

Foto do folheto anunciativo do concurso 1993

A qualidade dos trabalhos apresentados fez com que o texto e slogan vencedores fossem adaptados para os spots televisivos e radiofónicos da campanha institucional levada a efeito pela Comissão, tendo, inclusive, o desenho premiado servido de cartaz da CNE nas referidas eleições.

Cartaz - autárquicas 93

O êxito da iniciativa levou a CNE a abrir novo concurso aquando das eleições legislativas de 1995, desta feita sob o lema "Vote como quiser... mas vote! ", tendo sido recebidos 476 trabalhos oriundos dos mais diversos pontos do país e que pelo interesse de que se revestiam foram objeto de exposição pública.

Foto do folheto anunciativo do concurso 1995

Muitos desses trabalhos encontram-se atualmente reproduzidos no catálogo bíblio-iconográfico comemorativo do 30º aniversário da Revolução do 25 de Abril, dando-se, assim, a conhecer alguns momentos de criatividade e inspiração dos nossos jovens que responderam com sinal mais ao apelo feito de participação cívica na sociedade democrática.

Catálogo biblio-iconográfico comemorativo do 30º aniversário da Revolução do 25 de Abril

Cartaz 1 Cartaz 2 Cartaz 3

Seguindo a mesma filosofia, a Comissão abriu em 1996, por altura dos atos eleitorais das Assembleias Legislativas Regionais dos Açores e da Madeira, novo concurso para jovens.

Subordinado ao tema "A minha Região vai votar", pretendia-se, através dele, alertar os mais jovens, na faixa etária dos 7 aos 15 anos, para as realidades eleitorais portuguesas, no caso as das Regiões Autónomas, despertando-lhes a consciência para os valores cívico-políticos, mediante o envolvimento numa ação, a um tempo educativa e lúdica, mediante a elaboração de um cartaz e de um slogan que podiam ser adotados pela Comissão quando da campanha institucional, por ocasião daqueles atos eleitorais.

O concurso previa, ainda, a atribuição de prémios aliciantes para os autores dos trabalhos classificados nos três primeiros lugares (um microcomputador 486DX2 66 Mhz - c/ disco rígido de 420 MB, CD-ROM quad, placa áudio e enciclopédia era o primeiro prémio, sendo o segundo uma consola de jogos de vídeo e o terceiro uma bicicleta BTT), relativamente a cada Região e, adotava uma forma inédita, ao atribuir igualmente um prémio (retroprojetor de slides) à própria Escola que os vencedores frequentassem.

Cartaz do concurso - A minha Região vai votar cartaz

Embora embebido da mesma filosofia e tendo em vista idêntica finalidade - aumentar o grau de participação política - a Comissão Nacional de Eleições levou a efeito, em 1998, novo concurso, aberto a autores de expressão portuguesa, publicados ou não, sob o tema genérico "Eleições", na forma de ficção literária ou na de investigação.

Cartaz de concurso literário

No âmbito desse concurso, denominado "Prémio CNE", o júri então constituído decidiu não atribuir o primeiro prémio, distribuindo os restantes do seguinte modo:

2º prémio: "Quem corre por gosto não quê?" de Joaquim Jorge da Silva Carvalho (Ribeira de Pena)

Capa do Livro 'Quem corre por gosto não quê?'

3º prémio "A esquina do tempo" de Miguel Luís da Fonseca (Funchal)

Capa do Livro 'A esquina do tempo'